Sem alterações

Mais qualidade no café

 Cafeicultores do bairro Boa Ventura recebem treinamento para classificar bebida

De acordo com Emater, comunidade produz cerca de 18 mil sacas de café por ano.

Produtores de café e donos de cafeteria da região participam, até sexta-feira (06/04), do curso “Trabalhador da cultura do café, classificação e degustação de cafés especiais”, no Centro Comunitário do bairro Boa Ventura, zona rural de Inconfidentes. O curso tem duração de 40h e é viabilizado por meio de uma parceria entre o IFSULDEMINAS, o Senar/MG (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural) e a Fundação Carlos Silvério da Rocha. “Queremos mostrar para os produtores como identificar a qualidade do café de maneira mais avançada”, explicou Rafael Gustavo Morais de Oliveira, instrutor do Senar há quase 2 anos, destacando a prática usada nas aulas como degustação e prova de aromas de cafés oriundos de diferentes regiões do país.

Classificação da própria lavoura

Foto Matéria Classificação do CaféNo curso, os participantes avaliam também os frutos colhidos nas próprias lavouras por meio do uso da metodologia da SCA (Associação de Cafés Especiais), quando são repassadas noções sobre classificação e pontuações referentes ao café cereja descascado e o café natural, secado no terreiro. “Provamos as nuances encontradas na bebida, prova de ácidos e a intensidade da doçura”, comentou o instrutor do Senar. Segundo ele, o café produzido no bairro Boa Ventura tem alta qualidade. Contudo, é necessário o produtor tomar consciência desta excelência. “Aqui tem café com muita qualidade. Mas é preciso mostrar isto”, disse Rafael, defendendo a iniciativa dos cafeicultores participarem de concursos como forma de divulgação do produto.

Boa Ventura produz cerca de 18 mil sacas por ano

Segundo dados divulgados pela Emater/MG, o bairro Boa Ventura é responsável pela produção de 18 mil sacas de café por ano. Um dos agricultores da comunidade que está participando do curso é Cláudio Rodrigues Siqueira. De acordo com ele, há mais de 50 anos a família trabalha com a produção de café. No entanto, ele não conhecia a importância da classificação do sabor. “É uma oportunidade para melhorar o nosso café e obter uma pontuação melhor. Não sabia que existia a diferença de sabores,” disse o jovem. “Se puder, um dia ainda pretendo ganhar um concurso”, concluiu ele, enfatizando a urgência de investimentos.

Próximo treinamento: torrefação

O treinamento é a segunda etapa de um ciclo formado por 3 fases de conhecimento sobre melhorias na produção cafeeira. Depois de terem participado do curso sobre café convencional, neste curso os produtores estão sendo orientados para a identificarem cafés especiais. "O próximo passo será o curso sobre torrefação”, completou Rafael. Um dos pré-requisitos para participar do curso é ter recebido o treinamento sobre café convencional realizado pelo Senar em novembro do ano passado. O próximo treinamento para este público será na primeira semana de junho, na Fundação Carlos Silvério da Rocha ,e versará sobre torrefação.

Por José Valmei Bueno

Publicado em 04/04/2018

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Turma do curso de Classificação e Degustação (café convencional), ocorrido no período de 02 a 13 de abril

 Turma do curso de Classificação e Degustação de Cafés Especiais, ocorrido no período de 09 a 13 de abril